Tenho um gato e agora?

Muitos são os que já passaram ou conhecem alguém que passou por essa situação. Um gato entrou na sua vida e agora, o que fazer, por onde começar. Esse artigo tem por intenção dar dicas de que fazer para que você comece com o pé direito o relacionamento com o felino.
Essa é uma situação que muitos passam logo depois que adotam ou compram um felino: quais seriam os primeiros passos. Antes de começar a dar dicas, é bom reafirmar que gato é diferente de cachorro. Isso é importante lembrar porque no nosso país é muito comum as pessoas terem tido primeiro contato com cães para depois terem com gatos. Nesse contexto, as chances de tomar decisões equivocadas aumentam, já que há uma diferença em como se preparar a casa para o novo “filho felino” e como interagir com ele.
Antes de o gato adentrar à sua nova moradia, é importante que você já tenha algumas idéias de como lidar com o novo membro da família. O propósito desse artigo é auxiliar os pais de primeira viagem e acelerar o processo de ambientação do novo “filho”. Dessa forma, devemos inicialmente pensar sobre telas de proteção, bandejas, potes e fonte – como também os locais onde serão colocados -, tipos de comidas, de brinquedos, de arranhadores e de caminhas, além de como educá-los. Ademais, tem-se que encontrar um bom veterinário para dar as devidas vacinas, vermifugar e analisar as condições de saúde do animal. Tendo em vista essa check-list, vamos falar sobre cada um:

Bandejas – É o essencial para começar. Deve-se comprar uma bandeja adequada para colocar areia. Se for filhote, você pode já comprar uma bandeja grande a fim de que ele a use para urinar e defecar. É recomendável que já se compre uma caixa de areia definitiva, pois gatos tendem a não gostar muito de mudanças. Algumas pessoas preferem usar folha de jornal, o que não recomendamos, pois além de trocar as folhas durante várias vezes ao dia, acaba sendo anti-higiênico, o que pode desestimular o seu gato a fazer as necessidades. A bandeja é essencial e deve ser colocada em um lugar que ventile, de fácil acesso e visão – no caso de ter mais de um gato, assim ele pode controlar e ver se algum outro irmão está vindo ao seu alcance. É fundamental que a caixa de areia esteja longe dos potes de comida e água.

Potes – Assim como a bandeja, são os primeiros itens a serem adquiridos. Existem vários modelos. Caso o seu gato seja filhotinho, é recomendável que o pote seja proporcional ao tamanho, ou seja, pequeno e raso a fim de facilitar a ingestão de ração e água. Com o passar do tempo, pode-se comprar um pote maior. Nossa preferência é que você compre potes de porcelana/cerâmica ou de alumínio, pois são mais higiênicos e fáceis de limpar. Um detalhe importante: depois de estudar sobre o assunto e observar in loco, recomendamos que essa cumbuca tenha um diâmetro suficiente para que os bigodes do gato entrem tranquilamente. Expliquemos: alguns felinos podem não gostar do fato de seus bigodes ficarem tocando nas extremidades dos potes e, por consequência, podem comer menos ou adquirir hábitos diferentes de comer, como o de puxar a ração para fora do pote. Finalmente, é recomendável que não faça a troca dos potes depois que eles tiverem crescidos ou que compre um modelo diferente e junte ele com o antigo. Caso tenha mais de um gato, pode acontecer deles disputarem um só modelo e deixarem a comida do outro recipiente intacta. Lembre-se: comida e bebida devem estar longe da caixa de areia.

Fontes – Você pode usar potes para que os gatos bebam água. Recomendamos, no entanto, que desde pequeno eles já tenham uma fonte para estimular a beberem mais água – veja mais no tópico fontes de água. Isso é importantíssimo a fim de evitar que seu gato desenvolva algum problema renal e, assim, abrevie sua vida. É importante ressaltar que alguns gatos gostam de beber água no nível do solo, enquanto outros preferem beber em locais mais altos, como em cima de criados-mudos, móveis, pias de banheiro. Observe e veja o local mais apropriado para o seu gato. Também recomendamos que você tenha mais de uma fonte em casa a fim de que o gato possa beber água mais facilmente.

Comidas – Aqui há uma grande variedade de marcas, gostos, textura, valores, entre outros. Antes de tudo, no entanto, gostaríamos de ressaltar algo: nunca dê comida de humano para seu felino. Além de poder desequilibrar o sistema digestivo dele – como caso de diarreia, de vômito, de intestino preso -, há o risco dele não apenas diminuir a imunidade, como também o risco de tornarem-se obesos. Ademais, ele pode começar a revirar o seu lixo a procura de comida, pular na pia da cozinha enquanto prepara a comida, pular em cima da mesa enquanto você come. Em resumo, o processo de educar o seu gato tornar-se-á muito mais complicado. O leite é outro assunto sensível- alguns felinos são sensíveis à lactose, o que provoca diarreia. Caso queira dar leite, recomendamos que compre o leite apropriado para felinos.
Em relação à ração seca, caso tenha um gato filhote, é recomendável que se dê ração apropriada para a idade dele. Os pacotes de ração, normalmente, já vêm com a descrição da idade que é recomendável para o seu felino. Caso o seu gato esteja com desnutrição – seja filhote, jovem ou adulto – é recomendável dar, juntamente com a comida seca, uma ração pastosa altamente nutritiva que se encontra nos petshops. Em relação ao gato jovem-adulto, recomendamos uma ração que tenha a menor quantidade de corante possível. Caso ele esteja obeso ou com alguma disfunção, procure o seu veterinário para que ele possa indicar a ração ideal para seu felino.

Brinquedos – Gatos adoram brincar, principalmente com brinquedos que estimulem o senso de caçador deles. Há no mercado diversos modelos, desde ratinhos simples à com controle remoto, bolinhas de plástico a com chocalho dentro. O que não falta é opção para que seu gato possa brincar sozinho ou com a sua interação.

Arranhador – Esse é um item que a primeira vista parece ser dispensável, mas que com o passar do tempo torna-se fundamental não apenas para a saúde deles, quanto para a mitigação do prejuízo em seus móveis. Um bom arranhador deve ter um tamanho intermediário – por volta de 1 metro -, com local onde o gato possa relaxar e dormir.

Caminha – Gatos adoram dormir e, portanto, escolher uma boa caminha é fundamental. Existem vários modelos no mercado. Dentre tantas opções, recomendamos àquela que tenha um tamanho suficiente para que o seu felino possa recostar enquanto deita e dorme. Ter uma cama para seu gato é necessário, o que não significa que o seu filho não escolha, sem titubear, você à cama dele.

Caixa de transporte – Um dos itens fundamentais. Raros são os gatos que andam com coleira, como os cachorros fazem. Dessa forma, é necessário ter uma caixa carregadora a fim de não apenas levar o seu felino ao veterinário, como para viajar com ele. Assim como outros produtos, também existem vários tipos no mercado. Para levá-lo às consultar clínicas, pode-se usar caixa com material de tecido, mais maleável, que tenha boa ventilação, que seja confortável e que o seu gato consiga ficar de pé e dar uma volta dentro da caixa. No caso de viagens de avião ou de carro, a caixa terá que ser feita com um material mais resistente, com boa ventilação e que também possibilite o gato a ficar de pé e dar um giro em torno de si.

Veterinária – Tema extremamente importante. Procure um profissional qualificado, que tenha experiência em lidar com felinos, além, claro, de ter boas referências para que ele seja o médico de seu filho. Leve o felino e verifique a questão das vacinas, anti-pulga, entre outros. Falaremos mais sobre isso no espaço consultório do site Mundo Miau.

Tela de proteção – Item primordial, tanto para quem tem casa, quanto para quem mora em apartamento. Deve ser colocado antes mesmo da chegada do gato. No primeiro caso, evita que o felino vá para o quintal ou mesmo para a rua. No segundo, protege o seu gato contra quedas indesejáveis. Veja mais sobre esse tema aqui xxxx.
Conforme visto, são várias as coisas que se deve pensar e adquirir antes e depois da chegada do novo filho na casa. Lembre-se que o gato demanda atenção, carinho, investimento financeiro e, mais importante, ele viverá em média em torno de 12 a 20 anos. O gato, apesar de todo um mito que o cerca, apega-se muito aos donos e o amor deve ser recíproco.

1